‘Hoje em dia é muito difícil ser patrão no Brasil,”  diz Bolsonaro

0
32

Não basta ter direitos e não ter empregos

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, reafirmou nesta terça-feira, 4, em coletiva de imprensa, que “hoje em dia continua muito difícil ser patrão no Brasil”. Bolsonaro defendeu um aprofundamento da reforma trabalhista em seu governo, com medidas mais favoráveis aos empregadores para estimular novas contratações. A ideia também foi apresentada a parlamentares do MDB e do PRB em reuniões no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede da equipe de transição.

“Na última reforma trabalhista, que votei favorável, já tivemos reflexo positivo, número de ações trabalhistas caiu pela metade. Mas hoje em dia continua sendo muito difícil ser patrão no Brasil”, criticou o presidente.

No ano passado, o Congresso aprovou projeto do presidente Michel Temer que muda trechos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e prevê pontos que poderão ser negociados entre empregadores e empregados e, em caso de acordo coletivo, passarão a ter força de lei.

Bolsonaro não quis entrar em detalhes sobre como seria feito o aprofundamento. “Estamos estudando. Não basta ter direitos e não ter empregos, esse é o grande problema que existe”, declarou em conversa com jornalistas.

O presidente eleito também contou que tem recomendado a empregadores que “entrem na guerra” pela mudança da legislação. “Tenho dito que vão ter que entrar nessa guerra, não dá para deixar só com governo. Alguns dizem que podemos nos aproximar da legislação de outros países como os Estados Unidos, mas acho que seria aprofundar demais.”

Segundo ele, em reuniões com representantes do setor produtivo há reclamação de que “com a legislação trabalhista ainda está complicado empregar no Brasil”. “Eles têm dito que o Brasil é o país dos direitos, mas não tem emprego. Então isso tem que ser equacionado um dia. Eles têm dito, não sou eu, o trabalhador vai ter que decidir, um pouquinho menos de direitos e emprego ou todos os direitos e desemprego.”

Sobre a dissolução do atual Ministério do Trabalho, ele disse que a pasta funcionava como “sindicato do trabalho, e não como ministério”. “Nenhum trabalhador vai perder direitos ou ser prejudicado tendo em vista a não existência do ministério do trabalho”, garantiu.

DEIXE UMA RESPOSTA