VEJA O QUE VAI MUDAR NO ENSINO MÉDIO. por: Geraldo Paixão

0
100

A reforma do ensino médio é uma mudança na estrutura do sistema. A nova estrutura terá uma parte que será comum e obrigatória a todas as escolas (Base Nacional Comum Curricular- BNCC) e outra parte flexível. A BNCC definirá o que é comum e o que é ensino técnico. Por exemplo, a área de ciências humanas compreende história, geografia, sociologia e filosofia. As disciplinas obrigatórias nos 3 anos de ensino médio serão língua portuguesa, matemática e inglês. O restante do tempo será dedicado ao aprofundamento acadêmico nas áreas eletivas ou a cursos técnicos, de acordo com o caminho escolhido pelo estudante nas ênfases seguintes: I – linguagens e suas tecnologias; II – matemática e suas tecnologias; III – ciências da natureza e suas tecnologias; IV – ciências humanas e sociais aplicadas; V – formação técnica e profissional.

O novo modelo depende da Base Nacional Comum Curricular, homologada no dia 20 de dezembro de 2017, pelo ministro da Educação Mendonça Filho, a qual será obrigatória e irá nortear os currículos das escolas de ensino médio. Com a homologação da BNCC, os sistemas de ensino deverão estabelecer um cronograma de implantação das principais alterações da lei, e iniciar o processo de implementação. Mesmo assim, as alterações da reforma no ensino médio ainda não serão colocadas em prática neste ano. A previsão do MEC é que, o novo formato seja implantado a partir de 2019 e 2020, pois tudo dependerá da BNCC e do referido cronograma de implantação e processo de implementação.

A reforma prevê ainda uma Política de Fomento de escolas em tempo Integral, que deverá ocorrer de forma gradual. A união dará apoio financeiro para as escolas que aderirem ao ensino médio com tempo integral. O PNE estabelece que, até 2024, o país deva atender pelo menos, 25% das matrículas. A formação técnica e profissional será mais uma alternativa para o aluno. Hoje, se o jovem quiser cursar uma formação técnica de nível médio, ele precisa cursar 2400 horas do ensino médio regular e mais 1200 horas do técnico.O novo ensino médio permitirá que o jovem opte por uma formação técnica profissional, dentro da carga horária do ensino médio regular, desde que ele continue cursando Português, Matemática e inglês até o final, e ao final dos três anos, ele terá um diploma do ensino médio e um certificado do ensino técnico.

A proposta prevê ainda que serão obrigatórios os estudos e práticas de filosofia, sociologia, educação física e artes na BNCC. Língua portuguesa, matemática e inglês são disciplinas obrigatórias nos três anos de ensino médio, independente da área de aprofundamento que o estudante escolher. Anteriormente, a LDB não trazia a língua inglesa como estudo obrigatório. A reforma torna o inglês obrigatório desde o 6º ano do ensino fundamental e no ensino médio.

A reforma estabelece também que a grade curricular de 800 horas anuais passe para 1.000 horas e posteriormente para 1.400 horas anuais num prazo ainda não definido. O ensino médio poderá ser estruturado em módulos (sistema de créditos em algumas disciplinas). Poderão ser contratados professores sem concurso e de notório saber para ministrar aulas exclusivamente em disciplinas dos cursos técnicos e profissionalizantes.

RESUMINDO: O QUE VAI MUDAR:

1 – Carga horária passará de 800 horas para 1.000 horas anuais e progressivamente deverá atingir 1.400 horas.

2 – Ensino médio com tempo integral;

3 – União dará aporte financeiro para as instituições que aderirem ao ensino integral;

4 – Parte da grade será comum, mas depois o aluno poderá optar por áreas de seu interesse;

5 – O estudante poderá optar por uma formação técnica e profissional dentro da carga horária;

6 – Matemática, português e inglês, serão obrigatórias nos três anos do ensino médio;

7 – Inglês será obrigatório a partir do sexto ano do ensino fundamental;

8 – 60% da carga horária serão para conteúdos definidos na BNCC do ensino médio e 40%, optativos;

9 – ficará a critério da escola incluir educação física, artes, filosofia e sociologia;

10 – Poderão ser contratados professores sem concurso e com notório saber para ministrar aulas exclusivamente em disciplinas dos cursos técnicos e profissionalizantes;

Geraldo Ferreira da Paixão   –   Pós-graduado em Docência no Ensino Superior pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais – UNILESTE-MG (2005). Graduado em Engenharia Elétrica pelo Instituto de Tecnologia de Governador Valadares – MIT (1984). Graduado como engenheiro de Operação em Eletrônica Industrial pelo Instituo Católico de Minas Gerais – Coronel Fabriciano – MG (1979). Experiência profissional nas áreas de engenharia elétrica, eletrônica, instrumentação, automação, logística de suprimentos em empresas de grande porte, e como docente no ensino médio e superior.

E-mail: [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA